• Home
  • /
  • Sobre
  • /
  • Blogs Parceiros
  • /
  • Resenhas
  • /
  • Contato
  • Maratona Literária - Desafio Diário 1



    Olá amigos leitores, tudo bem?


    Hoje foi foi o primeiro dia da Maratona Literária e eu já comecei o dia com o pé direito. E pretendo encerrar a noite da mesma forma (se o sono não me pegar, rs). Como foi explicado anteriormente, a cada dia seria lançado um desafio por um dos blogs responsáveis. O primeiro desafio está hospedado no blog  Por Essas Páginas. O desafio consiste em escrever uma carta a um personagem que tenha te cativado. Então vamos lá! 

    Achei complicado escolher apenas um personagem,  pois já li vários livros e a cada história cada um deles deixa registrada em nós uma marca. Contudo, uma personagem me marcou profundamente pela sua tristeza, pela sua angústia e pela forma como foi desenhada pelo autor. Ela é Laura Brown, personagem do marcante "As Horas", de Michael Cunnigham. O livro ganhou o prêmio Pulitzer, em 1999 e foi adaptado para o cinema com a atriz Nicole Kidman em um dos papeis principais. Confira a resenha do livro AQUI


    Querida Laura,

    Que laços invisíveis podem prender uma pessoa ao que sente?  Que correntes nos permitem viver uma vida de mentiras e de fuga? Até onde uma pessoa pode ser algoz de si mesma? Estas foram as perguntas que ficaram e ficam ecoando em minha mente toda vez que eu tenho contato com a sua história. Sinto-me muito próxima e ao mesmo tempo distante de você por ser mulher, por ser mãe e por ter em mim, habitando nos porões de minha alma, os mesmos fantasmas que você possui. 

    Você me fez ansiar pela libertação como alguém que realmente estava presa, me fez derramar lágrimas com a sua inadequação, com o seu sentimento de deslocamento diante da vida de dona de casa, de mulher e de mãe. Estava presa a uma vida que alguém criou para você. E todos os dias eu peço a Deus que me abençoe com a coragem que você demonstrou. A coragem de ir embora, a força imbatível e metálica do abandono - por mais doloroso que ele possa ser. Uma liberdade pungente, que sangra, que corta a alma por dentro, que dá a cara a tapa e arrisca-se ao julgamento popular. 

    Quero ter a  força delicada de uma mulher que escolhe seus próprios caminhos e paga com o coração e a vida o preço de suas escolhas. Todas as vezes que me olho ao espelho quando estou penteando-me, paro e lembro da suas lágrimas contidas pela rispidez do cotidiano. Não quero ser esta mulher, não quero enfrentar as intermináveis horas de minha mediocridade. Quero escrever a minha história. Ser eu mesma, todos os dias, por mais doído que possa ser este encontro.

    Obrigada, Laura Brown, pela possibilidade deste aprendizado. Pelas lágrimas, pela angustia, pela respiração contida depois de ler a sua história. Obrigada por existir em minha mente e em meu coração.

    Ilmara Fonseca

    2 comentários :

    1. Parabéns por ter conseguido cumprir a primeira etapa. Acordou com o pé direito mesmo, hein?!?!
      Achei a carta ótima.
      Aguardando as novas etapas.

      @_Dom_Dom

      ResponderExcluir

    Sua opinião para mim é muito importante! Deixe o seu comentário!